A era das carreiras tecnológicas | Carreira em Foco

A era das carreiras tecnológicas

Profissionais de todas as áreas precisam estar adaptados às novas tecnologias para garantir seu espaço no mercado de trabalho do futuro

Por Danielle Blaskievicz, especial para a Tribuna do PR

Uma dúvida que costuma assombrar quem está começando uma carreira profissional ou quem pensando em dar uma guinada na trajetória diz respeito às aptidões, habilidades e à realidade do mercado de trabalho. Diante de tantas alterações no cenário corporativo, o questionamento é: vale à pena investir em profissões tradicionais ou sem tanta popularidade nos dias de hoje?

Os especialistas na área de Gestão de Pessoas são enfáticos ao afirmar que, independentemente do segmento ou caminho a seguir, essa escolha precisa estar acompanhando as inovações tecnológicas e o processo de transformação digital nas empresas.

+ Veja também: Os diversos caminhos que levam à profissionalização

A coordenadora de Inteligência de Mercado e Inovação do Senac Paraná, Mayara M. E. Cortes, destaca que, apesar das listas com as profissões em alta sempre apontarem carreiras relacionadas à tecnologia como as mais promissoras no futuro, é importante lembrar que existem diversas oportunidades em outras áreas, incluindo as ciências humanas e biológicas.

No Brasil, por exemplo, entre as áreas que estão com uma maior demanda por profissionais estão Tecnologia da Informação (TI), saúde, engenharia, marketing digital, energias renováveis, ESG, finanças e contabilidade. As oportunidades podem variar de acordo com a região do país, tendências e avanços tecnológicos.

+ GUIA DE CURSOS: Não perca o mais completo guia no especial Carreira em Foco

De acordo com Mayara, o profissional deve pensar em explorar carreiras interdisciplinares. “Muitas vezes, as fronteiras entre diferentes campos de conhecimento estão se tornando mais fluidas”, comenta. Por isso, ela afirma que é importante procurar por áreas emergentes ou, ainda, que combinem ciências humanas ou biológicas com tecnologia – como, por exemplo, bioinformática, neuropsicologia ou psicologia organizacional. “Aprender a usar ferramentas digitais, entender conceitos de análise de dados ou dominar habilidades de comunicação digital pode ser valioso em várias profissões”, observa.

HABILIDADES

De acordo com Priscilla Vinholi Alvarenga, psicóloga e especialista em Gestão de Pessoas e Liderança, o mercado de trabalho dita os avanços e insere as demandas dos novos profissionais. Ela ressalta que os conhecimentos em tecnologia se tornaram uma “necessidade básica” e acompanhar todas as tendências exige que o profissional esteja cada vez mais conectado às ferramentas tecnológicas e aos avanços dentro de cada setor.

+ Leia também: Sobram oportunidades de trabalho para profissionais qualificados

Porém, Priscilla afirma que a área escolhida deve estar cada vez mais ligada à aptidão, vinculada ao conhecimento tecnológico. “Exames clínicos podem ganhar proporções de assertividade quando aliados a ferramentas mais precisas. Diagnósticos – psicológicos, laboratoriais – terão auxílio da Inteligência Artificial, que aponta e orienta. No entanto, nada substituirá o conhecimento e a capacidade humana”, enfatiza.

ENSINO TÉCNICO

A cientista de dados Andressa Vergutz resolveu investir na área de tecnologia ao perceber a demanda do mercado. Foto: Divulgação

Para a cientista de dados Andressa Vergutz, 29 anos, o conhecimento na área de tecnologia começou ainda no Ensino Médio, quando cursou tecnologia paralelamente ao curso tradicional, com o objetivo de ir analisando o mercado que pretendia entrar.

Viu essa? Número de oportunidades na área de tecnologia supera o de profissionais

A experiência foi produtiva e Andressa resolveu investir na carreira. Graduada em Sistemas para Internet pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), hoje ela é doutora em Ciências da Computação pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), com sanduíche remoto pela Universidade de Ottawa, no Canadá. A partir desse conhecimento e vendo as oportunidades do mercado, resolveu empreender e hoje é uma das fundadoras da startup curitibana Easy 360, onde é head de tecnologia. Na Easy 360, Andressa e a equipe usam a tecnologia e a análise dos dados para oferecer soluções a indústrias que precisam organizar seus fluxos internos para se tornarem mais rentáveis, fazendo a conexão do setor de vendas, operações e finaneiro.

+ Veja mais no especial Carreira em Foco!

Para Andressa, o mercado para os profissionais de TI deve continuar em alta nos próximos anos. “Áreas como análise de dados, Inteligência Artificial e internet das coisas (IoT) devem oferecer ainda mais opções de emprego. São áreas em emergência e com esse crescimento do uso da inteligência artificial, a tendência é que surjam novas opções de empregos dentro da área da TI”, analisa.